domingo, 10 de agosto de 2014

OLHO DE LINCE

quem fala que sou esquisitx herméticx
é porque não dou sopa estou sempre elétricx
nada que se aproxima nada me é estranho
                                       fulano sicrano beltrano
seja pedra seja planta seja bicho seja humano
quando quero saber o que ocorre à minha volta
ligo a tomada abro a janela escancaro a porta
experimento invento tudo nunca jamais me iludo
quero crer no que vem por aí beco escuro
me iludo passado presente futuro
                                        urro arrei urro
viro balanço reviro na palma da mão o dado
                                        futuro presente passado
tudo sentir total é chave de ouro do meu jogo
é fósforo que acende o fogo da minha mais alta razão
e na sequência de diferentes naipes
                                        quem fala de mim tem paixão





                                      waly salomão

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

preciosidades

uma 'caixinha de luzes'...
coabitam ancestralidades.
 
rememorar
reverberar
imaginários
sentidos...
 
uma 'caixinha de luzes'
se reconhecendo estrelas.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

arte fraude.

salvador, 12 de junho de 2014.


ofício arte fraude nº 01; 

há tempos, habita em mim, esse jeito de desclanchar pensamentos. o que reverberou na necessidade de organizar todo esse modo estranho de dizer minha arte. 

então...

pela presente data, declaro a arte fraude um modo de experimentar e expressar todo tipo de manifestação artística, comprometida em resignificar padrões pré-estabelecidos e comportados de inventividades. afim de, construir vazamentos (escapes), capazes de transformar valores vigentes.

ressalto que a palavra fraude, aqui! não está diretamente associada a falsidade ou mentira... mas... também, deixo aberta a possibilidade para a costura de relações. posso salientar que enganar e ludibriar está de alguma forma arraigada aos meus anseios. 

ao enviesar ideias  fraudulentas, a reflexão que surge é a da 'arte fraude' ser um estar no mundo, um jeito, maneira de. (olha que contradição, explicar como confundir (salve tom zé!)). pensando nisso, surge a ideia de estruturar verbetes que possibilitem ordenar meus pensamentos e dividi-los com o mundo.


1. , destaco o modo de escrita 'descomprometida' que venho desenvolvendo, uma escrita 'descarada' no sentido de descumprir certas regras (algumas!) como não iniciar a frase com a letra maiúscula, ou, articular um texto com palavras chulas e cheias de supostos equívocos (olha a contradição novamente, entende?). os parágrafos carregados de pontuações, sobretudo, cheio de ponto e vírgula e reticências. que particularmente, adoro! afinal... nada melhor que reticências para dar um caráter de infinitude a um tal assunto.

2. sobre o uso dos imperativos: opa! um dos princípios. tentativa de eliminar o gerúndio que aparece repetitivo e medíocre; evidenciar o imperativo, com intuito de trazer à tona a ação, o movimento de cada palavratexto. burlar, romper, distorcer etc. (não por maldade. relembrando o significado figurado da coisa!).



...

                                                                                 invenção não se coaduna com 
               imitação: simples mas é bom lembrar.
 H.O

circular coloress,


Andréia Oliveira

domingo, 8 de junho de 2014

quer saber sobre irepó*?

irepó é uma caixa de luzes.

*vivência artística coordenada por lara rodrigues, marli sarmento, conceição castro e inaicyra falcão. tendo 11 intérpretes-criadorxs em seu processo.  escola de dança da ufba 2014.
** irepó: amizade, harmonia, solidariedade (tentativa de se melhorar enquanto ser humano, e lá vou eu...).